Cercas vão delimitar áreas de crianças e de cães nas praças do Rio

Notícia do G1

Projeto da Fundação Parques e Jardins divide espaços dos dois grupos.
Prefeitura prevê multas para donos de cães que desrespeitarem as leis.

A professora Albenira Mota passou a frequentar a Praça Radial Sul após revitalização. (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

A professora Albenira Mota passou a frequentar a Praça Radial Sul após revitalização. (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

A disputa de espaço entre pais de crianças e donos de cachorros em pracinhas e outras áreas de lazer da Zona Sul do Rio pode estar com os dias contados. Um projeto da Fundação Parques e Jardins procura dar limites a esses espaços. De acordo com o órgão, diversas vistorias feitas por técnicos tentam aprimorar o uso dos locais.

As praças são cercadas a pedido de moradores, mas a Fundação Parques e Jardins não conseguiu fechar um total da área delimitada  desde o começo do projeto.

Pais apoiam divisão de áreas de lazer

A Praça Radial Sul, em Botafogo, foi cercada após um pedido dos moradores da região. A professora Albenira Mota, que vive ao lado da praça, conta que passou a levar a filha, Ana Vitória, de 4 anos, para brincar no local.

“Essa praça não era cercada. Então ela era, praticamente, para os cachorros. Não dava para trazer crianças para cá. Eu levava para a Casa de Rui Barbosa, que era melhor. Lá não entra cachorro”, afirma.

A falta de educação de alguns proprietários de animais também era um motivo de crises constantes. “A questão do cocô de cahorro é um problema de Botafogo. Não apenas aqui na praça ou nas redondezas. Os cachorros fazem cocô e o dono deixa na rua”, afirma Albenira.

Alberto Veras, que frequenta com os três sobrinhos, nos fins de semana, outra área de lazer cercada de Botafogo, a Praça Mauro Duarte, acredita que a delimitação do espaço melhora o local.

“A gente tinha cães sem focinheira, que os donos diziam que o animal era tranquilo, e, de repente, o bicho tinha uma reação não tão tranquila. Não digo violenta, mas o bicho não tem consciência de que é uma criança”. Alberto crê que a medida também tem valor sob o ponto de vista da segurança. “O cercado me dá mais tranquilidade, porque as crianças não ficam tão soltas”.

O ParCão da Lagoa Rodrigo de Freitas oferece espaço para os cachorros andarem sem coleiras. (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

O ParCão da Lagoa Rodrigo de Freitas oferece espaço para os cachorros andarem sem coleiras. (Foto: Cristina Boeckel/ G1)

Os donos de animais também aprovam os espaços separados. A analista de  sistemas Soraia Castrioto costuma sair de Santa Teresa, onde mora, com os três cachorros nos fins de semana e nos feriados para deixar os animais livres no ParCão da Lagoa Rodrigo de Freitas, na altura do Parque dos Patins.

Para ela, o local oferece segurança e a oportunidade de convivência, sem coleiras, com outros cães.

“Como tem a grade protetora, eles não têm como fugir. Então, é deixar solto. A gente não tem essa liberdade na rua”. Ela sugere que um espaço, nos mesmos moldes, seja oferecido para os frequentadores em outro ponto da cidade. “No Aterro do Flamengo,  teria espaço para fazer um ParCão. Lá tem muita área vazia”.

Outros locais da Zona Sul com áreas de lazer isoladas para animais e crianças são a Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, e a Praça Nilton Campos, no Leblon.

O adestrador Denizard Baldan afirma que é preciso conscientizar os donos de cães sobre uma guarda reponsável. (Foto: Divulgação/Patinhas do Bem)

O adestrador Denizard Baldan afirma que é preciso conscientizar os donos de cães sobre uma guarda reponsável. (Foto: Divulgação/Patinhas do Bem)

Leis definem direitos e deveres dos donos de cães

Decretos municipais definem o lugar dos cachorros no espaço público, e os direitos e deveres dos donos. De acordo com a Secretaria Especial de Promoção e Defesa dos Animais, a lei nº 4.731 diz que abandono de cachorros em vias públicas, além de mau-trato, é crime, com multa prevista de R$ 2 mil.

Ainda de acordo com a legislação, os donos dos cachorros têm a obrigação de recolher as fezes que são deixadas por eles nas ruas, de acordo com a lei 3.273, artigo 103. No caso de descumprimento, a multa prevista é de R$ 50.

O adestrador de animais Denizard Baldan, coordenador do Projeto Patinhas do Bem, que utiliza os cães como um meio de potencializar a reabilitação e a ressocialização de pessoas com câncer, deficientes físicos e idosos concorda com a ideia de que é necessária uma campanha de conscientização sobre a limpeza das ruas.

“A gente sabe que o animal não tem como recolher o que ele faz. Essa capacidade é nossa. Já que você tem o seu animal, deve saber que, além de cuidar da saúde dele, deve-se ter atenção à parte educacional. É fundamental o cuidado com a higiene”.

Para o o adestrador Denizard Baldan , os mandamentos do cachorro que convive em sociedade são:

  • Não arrastar o dono pelas ruas;
  • Não latir para os outros, intimidando-os;
  • Não pular em cima das visitas.
Related Posts with Thumbnails

Post to Twitter Tweet This Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Spam Protection by WP-SpamFree