Cão idoso cria nova especialidade veterinária

fonte: Agência Estado

fudge

Não foi só a expectativa de vida do brasileiro que melhorou, de acordo com dados divulgados no início do mês pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A maior atenção e o crescente cuidado com os animais de estimação levaram ao aumento na esperança de vida de cães, que hoje vivem em média três anos a mais que há 15 anos. A afirmação é do consultor técnico da empresa Royal Canin do Brasil, René Rodrigues Junior, um dos 5 mil veterinários que participaram do 4º Encontro Científico Internacional do setor, com o tema O Cão Geriátrico. Uma das principais discussões no congresso foi o impacto do envelhecimento no diagnóstico de cães idosos, uma demanda cada vez maior nas clínicas e que deu origem a uma nova especialidade – a medicina veterinária geriátrica.

“Hoje, temos laboratórios e centros de diagnóstico exclusivos para a medicina veterinária; com isso, passamos a ter uma segurança maior nos diagnósticos”, considera René, que também identifica a melhoria na qualidade de alimentos e remédios para cachorros como fatores cruciais para o avanço da expectativa de vida dos bichos. “Esse aumento ocorre, principalmente, com cães que possuem maior atenção e cuidados. São cães domésticos que têm uma melhor condição de vida devido à proximidade com seus proprietários”, avalia. A veterinária Maria Anete Lallo, co-autora do único estudo sobre expectativa de vida de cães no Brasil, realizado na Grande São Paulo, observa que, hoje, a medicina veterinária possui aparelhos para diagnósticos muito requintados. “Exames que ajudam a fazer diagnósticos rápidos ajudam no tratamento. Isso mudou muito o perfil da medicina veterinária”, comemora.

Esse novo “perfil”, acredita Maria Anete, é beneficiado pela evolução na ciência, que abriu campo para todas as especialidades na medicina dos animais – de dermatologia a oncologia. Assim também, as especializações em pediatria e geriatria tornam-se realidade para os donos de cachorros dispostos a dar a atenção aos bichos. “A área está se tornando uma especialidade”, considera, porque “existe uma demanda”. Não à toa, de olho nessa procura, a Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais (Anfal Pet) prevê um rendimento de US$ 3,3 bilhões este ano para o mercado de pet shop.

OldDogs

Vacinação

Além da medicina preventiva, qualidade da comida e novos medicamentos, a vacinação também é um fator importante para a melhoria da expectativa de vida desses animais. Apesar disso, tanto para Maria Anete quanto para o veterinário Eduardo Bondan, que também participou da pesquisa, a prática de imunização no Brasil, ainda restrita, atinge números muito inferiores quando comparada a países europeus e aos Estados Unidos. Como este é o primeiro censo sobre esses animais, não é possível determinar ainda, cientificamente, o aumento na esperança de vida.

“Clinicamente, dá para observar que eles estão vivendo mais”, afirma a médica veterinária, no entanto. Mas, considera Bondan, essa percepção é “empírica”. Os dois afirmam que a principal causa de morte precoce entre cães no País são as doenças infecciosas, que poderiam ser evitadas com uma política de vacinação mais forte e consciente. “Tem vacina, então, é possível prevenir imunizando o animal por toda a vida”, afirma Maria Anete. Ela avalia, entretanto, que, o Brasil precisa adotar um esquema de vacinação que contribua para diminuir o índice de mortalidade.

607B91ECC941298D57273ADA41BFCF

Envelhecimento

Com o envelhecimento, o cão passa a se comportar de maneira diferente, ficando mais quieto, com menos disposição e paciência e, algumas vezes, mais intolerante. No aspecto biológico, o animal idoso passa a ter maior dificuldade digestiva e perde, consideravelmente, a capacidade olfativa. Assim, são tomados pela indústria a alguns cuidados com alimentação, que adaptam a consistência do produto para facilitar a digestão e modificam os níveis de minerais. O fósforo, por exemplo, é reduzido para prevenir um quadro de insuficiência renal. Além disso, a ração é mais apetitosa para suprir a natural diminuição do olfato.

O cuidado maior com o animal de estimação, afirma o consultor técnico da Royal Canin, deve começar na maturidade, que varia entre 4 anos para cães maiores e 8 para os pequenos. Com a idade, segundo René, os cães tendem a desenvolver doenças renais, ósseas, hepáticas e articulares, além de câncer e diabetes. “Infelizmente, ainda não há, de maneira mais expressiva, uma conscientização quanto à prevenção das doenças”, lamenta o consultor técnico. “Com isso, os tratamentos tornam-se mais comuns no dia-a-dia da consulta geriátrica.” Alimentação adequada, consultas e exames clínicos de rotina e atenção a mudanças no comportamento do animal são cuidados que o especialista recomenda a donos de cães idosos.

“Prevenção é importante”, avalia a veterinária Maria Anete. “Não dá pra evitar exatamente a doença, mas dá pra evitar que ele fique gordo, que faça atividades regularmente. O tratamento precoce é fundamental”, afirma. A principal patologia que acomete cães idosos, segundo a especialista, é o câncer, que é hoje a segunda causa de morte entre os caninos no Brasil.

Para um envelhecimento saudável, o consultor da Royal Canin atenta para a importância de exames periódicos – semestrais, anuais, ou conforme recomendação do veterinário. Caso o bicho já apresente sintomas de enfermidades comuns a cães velhos, os tratamentos são específicos, e é recomendável procurar um especialista. Maria Anete indica que, a partir de 6 ou 7 anos, dependendo do porte, o criador procure o veterinário para acompanhamento ao menos a cada seis meses e se preocupe com a vacinação necessária para evitar a morte precoce do animal.

Related Posts with Thumbnails

Post to Twitter Tweet This Post

6 Comments to Cão idoso cria nova especialidade veterinária

  1. Stella Dalcin disse:

    Olá! Adorei a matéria!
    Gostaria de saber se autoriza a publicação da mesma no site em que trabalho http://www.mesquita.com
    Colocarei todos os créditos, e gostaríamos de fazer uma breve descrição sobre o blog e o senhor.

    Tenho a sua autorização?
    Fico aguardando a resposta!
    E parabéns pela qualidade do blog! Está excelente!

  2. Marcello Berriel disse:

    Olá Estella,
    Obrigado por acompanhar o nosso Blog. Você tem a minha autorização sim para replicar o que for de seu interesse. Meu papel no Blog é de editar e produzir a meu modo, de tudo que encontro de interessante sobre o assunto cão, também credito todas as fontes que encontro devidamente creditadas. Tambem estou aberto para parceria na divulgação bilateral. Se achar interessante me avise. Abs,

    Marcello Berriel.

  3. [...] também: Cão idoso cria nova especialidade veterinária Pets já desfrutam de próteses e aparelhos para os [...]

  4. [...] Cão idoso cria nova especialidade veterinária [...]

  5. Bianca13Fialho disse:

    Olá! Muito interessante e bem feita essa matéria… é muito bom saber que a expectativa de vida desses exímios companheiros está maior.
    Coincidentemente, tenho aulas na universidade com a Maria Anete, o que considero uma grande honra vendo que ela é o tipo de profissional que eu sonhava ser quando criança. Espero um dia ingressar no curso de medicina veterinaria e ter aulas com ela também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Spam Protection by WP-SpamFree